quinta-feira, 21 de julho de 2011

O elevador
Um menino de 15 anos de idade o TURIBIO e seu pai, o GAUDENCIO, um gaucho grosso lá das bandas de JAGUARY no RIO GRANDE DO SUL , entraram em um shopping pela primeira vez. Eles ficaram impressionados com quase tudo o que viram, mas especialmente por duas brilhantes paredes de prata que poderiam abrir e fechar.
O menino perguntou: "O que é isto, pai?"
O GAUDENCIO (nunca tinha visto um elevador) respondeu: ' Filho, eu nunca vi nada parecido em minha vida, eu não sei o que é. "

Enquanto os dois estavam assistindo com perplexidade, uma senhora idosa, gorda ​ ​em uma cadeira de rodas chegou perto das portas e apertou um botão. As portas se abriram e a senhora rolou entre elas e entrou em um quarto pequeno. As portas fechadas e o menino e seu pai observavam o pequeno número acima das portas acender seqüencialmente.
Eles continuaram a assistir, até que chegou o último número ... e depois os números começaram voltar na ordem inversa.
Finalmente, as portas se abriram novamente e uma linda loira de mais ou menos 24 anos, saiu do quartinho.

O GAUDENCIO, sem tirar os olhos da moça, disse calmamente ao seu filho .....
"Vá buscar sua mãe"

4 comentários:

Eduardo Fernandes disse...

HAHAHAHA Muito bom!! =D

BLOGGERLESSA@HOTMAIL.COM.BR disse...

OILA LINDA JOVE,SEJA BEM SOCEDIDA NO TEU ESTUDO,SORRIA JESUS TE AMA,
BLOGE,COM

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Alma de poesia. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Monster disse...

Monster Cable